Escola Brasileira de Psicanálise - Delegação Geral do Maranhão - Vol. 1 2016 - ISSN 2447-6382

EDIÇÃO 5

A linguagem do Cartel

Suely Simone Costa Lima[1]¨
“Psicanalistas, nós mesmos e por muito tempo confinados em nossa experiência, vimos que ela se esclarecia ao fazer dos termos em que Freud a definiu o uso que lhes convém, não como preceitos, mas como conceitos”.

Jacques Lacan[2]
Este artigo, outrora um texto cujo título foi – O que é um cartel e que […]

By |outubro 19th, 2018|EDIÇÃO 5|0 Comments

Considerações sobre a anorexia[1]

Thaïs Moraes Correia[2]
1 INTRODUÇÃO

Este artigo sobre anorexia será baseado na minha experiência como psicanalista na clínica do real, com fundamentação teórica, ancorada na Psicanálise de Orientação Lacaniana.

No dicionário Aurélio (On-line, 2016), anorexia é redução ou perda de apetite; inapetência. Na literatura médica, a anorexia é muito mais comum em mulheres do que em homens.

A primeira […]

By |outubro 19th, 2018|EDIÇÃO 5|0 Comments

Sobre a pulsão escópica: um outro olhar

Yelma Oliveira[1]
“- A fotografia foi a minha salvação!”
Esse recorte do diálogo no filme Mil vezes boa noite (2013) entre a personagem Rebecca e sua filha vai nortear as articulações que se seguem. Rebecca é uma fotógrafa de guerra que não encontra sentido em uma vida comum e concebe seu trabalho enquanto uma forma de transformar […]

By |outubro 19th, 2018|EDIÇÃO 5|0 Comments

O filme Meu melhor inimigo à luz das teses de Freud

Ilnar Fernandes Feitoza[1]
Maria Damiana C. da Silva[2]

Introdução

O filme dinamarquês Meu melhor inimigo (Min Bedste Fjende, 2010), dirigido por Oliver Ussing, aborda o tema bullying. Sabe-se que em ambiente escolar, entre adolescentes e pré-adolescentes, esses atos de intimidação e violência física ou psicológica aparecem com maior frequência. Os protagonistas do filme são Alf e […]

By |outubro 19th, 2018|EDIÇÃO 5|0 Comments

A histeria: sexualidade a partir do caso Dora[1]

Victor Ribeiro[2]
“As forças impulsoras da formação dos sintomas histéricos não provêm apenas da sexualidade normal recalcada”.

Sigmund Freud (1905)
 

Na época de Freud (1856-1939), a sexualidade era um tabu, tema muito reprimido, considerado uma transgressão social, uma perversão da sociedade. A mulher era a que mais sofria a repressão sexual, tanto no campo da fala, na maneira […]

By |outubro 19th, 2018|EDIÇÃO 5|0 Comments

Entrevista com Analícea Calmon

COM O DECLÍNIO DA FUNÇÃO PATERNA E A QUEDA DO FALO, OS SEMBLANTES DE CRENÇA NO PAI FICAM ABALADOS. COMO FAZER COM QUE OS SEMBLANTES POSSAM FAZER FRENTE AO GOZO COMO EXCESSO, NA CONTEMPORANEIDADE? (Thaís Moraes Correia)

É uma pergunta bastante interessante e oportuna, mas, para desenvolve-la, cabe um esclarecimento inicial: não é o falo propriamente […]

By |outubro 19th, 2018|EDIÇÃO 5|0 Comments