Escola Brasileira de Psicanálise - Delegação Geral do Maranhão - Vol. 1 2016 - ISSN 2447-6382

brunosenna

About Bruno Senna

This author has not yet filled in any details.
So far Bruno Senna has created 62 blog entries.

Boletim O Lacaniano – #106

By |outubro 29th, 2017|boletim|0 Comments

Entrevista com Sônia Vicente

Na clínica universal do delírio, que não é o delírio que tratam os psiquiatras, o que você poderia dizer que há de novo nas psicoses ordinárias na contemporaneidade? (Thaïs Moraes Correia)

Se acompanharmos Lacan o desenvolvimento de seu ensino, o veremos enfatizar a orientação clínica ao real e ao aparelhamento do gozo. Nessa via, passou à clínica […]

By |outubro 9th, 2017|entrevista4|0 Comments

As mulheres com a palavra

 Existe literatura feminina?

Como esclarece Silva (1971), o vocábulo literatura, em latim, significava instrução, saber relativo à arte de escrever, erudição. Adiante, o autor explica ser o texto literário uma mensagem que depende de múltiplos códigos culturais não-literários, que atuam numa dada época e numa dada sociedade, entre os quais avulta o código das ideologias, que, […]

By |outubro 5th, 2017|EDIÇÃO 4|0 Comments

Amor patológico em mulheres

RESUMO: O presente artigo tem como objetivo refletir acerca do Amor Patológico em mulheres acometidas por este transtorno. Contemplando explicações que perpassam o desenvolvimento psicossexual humano desde a primeira infância até a idade adulta, a partir de perspectivas psicológicas e sociais no intuito de esclarecer o surgimento, desenvolvimento, características e tratamento deste transtorno baseando-se prioritariamente […]

By |outubro 5th, 2017|EDIÇÃO 4|0 Comments

O gênero como ação encarnada: Ou como se regula o corpo feminino para o ideal de amor.

RESUMO:

Segundo Judith Butler (2002), os corpos somente surgem, somente perduram, só vivem dentro das limitações produtivas de certos esquemas regulatórios, os quais produzem sua inteligibilidade. Tal como os corpos; o amor no Ocidente se constrói como um ideal regulatório de gênero.

PALAVRAS-CHAVE: amor, gênero, Queer, subversão.

 

ABSTRACT:

According to Judith Butler (2002), the bodies only arise, only endure, only […]

By |outubro 5th, 2017|EDIÇÃO 4|0 Comments

A pele que conta: tatuagem

Uma perspectiva para considerar o ser humano poderia ser a história imperativa do seu corpo como acontecimento no laço social. Essa história deve ser contada. Se a palavra, que por sinal vem sempre tardiamente, não funciona, o corpo vai narrar inevitavelmente esses acontecimentos de qualquer maneira.

O conceito “corpo natural” não existe. O “soma” – o […]

By |outubro 5th, 2017|EDIÇÃO 4|0 Comments

Quantas andam a loucura e o crime no estado do Maranhão

Desde a antiguidade, a loucura e o erro eram compreendidos dentro de um universo de possibilidades, podendo ser observada esta premissa na ação dos governantes e dos súditos. Com o advento da modernidade se operou uma cisão irreparável: a loucura foi segregada de sua dimensão trágica. Isto se deu devido à construção de um sujeito […]

By |outubro 5th, 2017|EDIÇÃO 4|0 Comments

O feminino em direção ao furo da velhice¹

Freud ((2012[1932]), p. 28), na Conferência 33 sobre a feminilidade, diz:
Atribuímos, pois, à feminilidade, uma medida maior de narcisismo, que influencia até sua escolha de objeto, de modo que ser amada constitui para a mulher uma necessidade mais forte do que amar. O efeito da inveja do pênis está ainda implícito na vaidade física da […]

By |outubro 5th, 2017|EDIÇÃO 4|0 Comments

O analista de orientação lacaniana na cidade

Os tempos atuais se caracterizam por uma nova, hiper, excessiva vontade de tudo gozar, de estar afinado com o imperativo categórico hipermoderno: “tenha prazer o tempo todo no maior tempo possível e faça tudo cada vez mais rápido”. Numa propaganda tipo pop-up na tela de meu computador eu lia outro dia: “a pressa é amiga […]

By |outubro 5th, 2017|EDIÇÃO 4|0 Comments

Da clínica estrutural à clínica do real: neurose como bejahung e psicose como vewerfung

Lacan, no seminário 3 diz que não é por uma simples satisfação de nosógrafo que ele busca a diferenciação entre neuroses e psicoses, mas que esta distinção é mais que evidente. Segundo ele é preciso aproximar as neuroses das psicoses com o propósito de se estabelecer uma diferenciação. Esta diferenciação justifica a forma como se […]

By |outubro 5th, 2017|EDIÇÃO 4|0 Comments